990X350px_rest


Seu Jean em relação ao principal ingrediente do Velho Oriente: o amor, presente em todos os pratos que faz.

Em 1970, o libanês Jean Tanios Abdo, “Seu” Jean, como é conhecido, veio ao Brasil para visitar o seu primo e não voltou mais. Pelo contrário: resolveu trazer um pouco do Líbano para o país. De lá para cá são 40 anos dedicados à culinária.

No ano de 2001, conheceu a chef Vaneska Berçani e juntos resolveram abrir um novo restaurante: O Velho Oriente, batizado por Seu Jean em uma homenagem a ele próprio: o velho e o oriente.

O menu foi baseado nos pratos do dia-a-dia da culinária libanesa e logo que o Velho Oriente começou a funcionar, os antigos clientes voltaram. Alguns vinham porque procuravam aquele senhor que sempre esteve no balcão. Outros, porque aquele lugar já era tradição de famílias inteiras. Filhos tiveram festas de batizados, estudantes fizeram jantares de formaturas e hoje, médicos e doutores têm onde continuar a tradição de se reunir com a família e apreciar as delícias de uma das culinárias mais antigas do mundo.

Mesmo com a mudança de nome e endereço EM TODOS ESTES ANOS DE CULINÁRIA, DE EXPERIÊNCIA, poucas coisas realmente mudaram: Seu Jean continua fazendo a feira todos os dias e os ingredientes utilizados nas receitas continuam sendo de primeira qualidade. A principal novidade é que agora quem está aprendendo os segredos da cozinha é a Vaneska que, além de cuidar da área administrativa, tem se dedicado a conhecer os detalhes que fazem a diferença na comida libanesa.

Nestes 12 anos de sociedade, Seu Jean e Vaneska têm um segredo, na verdade, um “tempero” bem especial: “honestidade, divisão de tarefas e experiência aliada à inovação”, palavras deles próprios.

Por tudo isso é que a partir de depoimentos de clientes, como este: “o mesmo sabor e qualidade há mais de 30 anos”, que os sócios têm a certeza de estarem no caminho certo.